Todos os dias, neste espaço, divulgo um poema da minha autoria para que a minha inspiração vos possa servir de guia.

Every day, in this space, I spread a poem of my authorship so that my inspiration can serve as a guide to all of you.

Receber poemas por / Receive poems by Email

Translate

sábado, 14 de novembro de 2015

Autopsicografia / Autopsychography

Para que não haja más interpretações sobre os meus poemas e sobre aquilo que escrevo, cito hoje um poema de um conterrâneo meu Fernando Pessoa. Ambos nascemos na freguesia de Mártires, em Lisboa, mas em épocas diferentes. E frequentemente revejo a minha criação poética neste seu poema.

To avoid misinterpretations about my poems and about what I write today I quote a poem of my countryman Fernando Pessoa. We both were born in the parish of Mártires (Martyrs) in Lisbon, but at different times. And often I review my poetic creation in this his poem.

O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.
E os que lêem o que escreve,
Na dor lida sentem bem,
Não as duas que ele teve,
Mas só a que eles não têm.
E assim nas calhas de roda
Gira, a entreter a razão,
Esse comboio de corda
Que se chama coração.
Fernando Pessoa

A minha tradução livre / My free translation:

The poet is a pretender.
Pretends so completely
That reaches to pretend it's pain
The pain that he really feels.
And those who read what he writes,
In reading pain feel good,
Not the two he had,
But that which they have not.
And so the wheel rails
Rotate, to entertain the reason,
This rope train
Called heart.
 

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.