Todos os dias, neste espaço, divulgo um poema da minha autoria para que a minha inspiração vos possa servir de guia.

Every day, in this space, I spread a poem of my authorship so that my inspiration can serve as a guide to all of you.

Receber poemas por / Receive poems by Email

Translate

terça-feira, 23 de junho de 2015

Quando a máscara caiu / When the mask fell

Foi quando a máscara caiu
Que tu verdadeiramente te revelaste
Não sei de onde o teu egoísmo saiu
Mas sei que algo em mim roubaste.

Assombrado por uma ex-mulher
Da qual nunca te libertaste
O teu futuro estás agora a colher
Porque me ignoraste.

Uma casa enorme
Onde já não havia amor
Um espaço vazio
No qual se instalou a dor.

Para trás te deixei
Sem nenhum arrependimento
Se algum dia te amei
Foi apenas por um momento.

Tentas-te mostrar ser
Uma pessoa que não existia
Quando a máscara começou a derreter
Quebrou-se toda a magia.

É pena existir gente
Que vive bem assim
Com tanta facilidade mente
Porque sabe bem e porque sim.

Mem-Martins, sentada na mesa da cozinha, durante o pequeno-almoço,
Escrito à mão
22 de junho de 2015,
7h52



It was when the mask fell
That you truly revealed
I do not know where your selfishness came out
But I know that something in me you stole.

Haunted by an ex-wife
From which you never get free
Your future you are now reaping
Because you ignore me.

A huge house
Where there was no love
An empty space
In which settled the pain.

I left you behind
With no regrets
If I ever loved you
It was only for a moment.

You try to show be
A person who did not existed
When the mask began to melt
It broke up all the magic.

It’s too bad people exist
Who lives as well
With so much mind at ease
Because it knows well and just because.

Mem-Martins, sitting at the kitchen table during breakfast,
June 22, 2015
Handwritten

7:52 a.m.

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.