Todos os dias, neste espaço, divulgo um poema da minha autoria para que a minha inspiração vos possa servir de guia.

Every day, in this space, I spread a poem of my authorship so that my inspiration can serve as a guide to all of you.

Receber poemas por / Receive poems by Email

Translate

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

O tontinho da aldeia / The village crazy

Pobre alma nasceu sem sorte
Quis a vida que viesse ao mundo deficiente
Com as suas limitações
Ele é simplesmente diferente.

O seu modo de falar é estranho
Assim como a sua forma de articular as ideias
É conhecido por todos
Devido às suas parcas maneiras.

É o tontinho da aldeia
Trabalha todo o dia na lavoura
Recebe a sua vida à jeira
A sua presença, ninguém ignora.

Ele bebe uns copos a mais
E diz muitos disparates
É uma alma solitária
Que vive sem nenhuns disfarces.

15 de dezembro de 2014
In Costa, Maria Leonor, Poesias Mundanas.



Poor soul was born out of luck
Wanted life he come to the world handicapped.
With its limitations
He's just different.

His way of speaking is strange
As well as its way of articulating ideas
It is known to all
Because of his meagre ways.

It's the crazy of the village
He works all day in farming
Receives his life to the acre
Their presence everyone knows.

He drinks cups more
He says many nonsense
It is a lonely soul
Who lives without any disguises.

December 15, 2014
In Costa, Maria Leonor, Worldly poetry


Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.